Um em cada cinco homens não completam 50 anos nas Américas, devido a problemas relacionados à masculinidade tóxica é o que demonstra o novo relatório da OPAS (Organização Panamericana da Saúde) que também revela que eles vivem quase 6 anos a menos que as mulheres , em parte porque as expectativas sociais contribuem para os comportamentos de busca de riscos, conclui o relatório.

O sumário executivo do relatório “Masculinidades e saúde na Região das Américas” destaca que as expectativas sociais dos homens de prover suas famílias, participar de comportamentos de risco, ser sexualmente dominantes e evitar discutir suas emoções ou procurar ajuda – comportamentos comumente conhecido como “masculinidade tóxica” – eles contribuem para maiores taxas de suicídio, homicídio, vícios e acidentes de trânsito, além de doenças não transmissíveis.

“Não devemos perder de vista o fato de que as mulheres têm riscos diferenciais associados ao seu status de mulheres”, disse Anna Coates, chefe do Escritório de Equidade, Gênero e Diversidade Cultural da OPAS. “Mas a socialização dos homens também leva a uma ampla gama de problemas de saúde que só podem ser resolvidos por meio de políticas, programas e serviços de saúde receptivos, focados em suas necessidades particulares”.

Homens e mulheres morrem de forma semelhante por problemas respiratórios e diabetes. Mas existem causas importantes de morte relacionadas à maneira como a masculinidade é exercida: violência interpessoal (na qual se destacam os homicídios, à taxa de sete homens por mulher), trauma devido ao trânsito (três por um) e cirrose hepática por álcool (duas vezes maior).

Construções sociais em torno da masculinidade
De acordo com o relatório da OPAS, os papéis, normas e práticas de gênero impostos socialmente aos homens reforçam a falta de autocuidado e o abandono de sua própria saúde física e mental.

Esse conceito de masculinidade, ou “machismo”, como é conhecido nas Américas, traz três riscos gerais: risco para mulheres e crianças, na forma de violência, infecções sexualmente transmissíveis e falta de responsabilidade compartilhada no lar; risco para outros homens, como acidentes, homicídios e outras violências; e risco para si mesmo, na forma de suicídio, acidentes, alcoolismo e outros vícios.

Isso não afeta apenas a saúde dos homens, mas também leva a resultados negativos para mulheres e crianças em termos de violência interpessoal, infecções sexualmente transmissíveis, gravidez imposta e ausência de parentesco.

O relatório também destaca que a discriminação com base na idade, etnia, pobreza, status de emprego e sexualidade agrava ainda mais esses resultados negativos para a saúde dos homens.

Diferenças nas causas de morte entre homens e mulheres
As diferenças na mortalidade masculina e feminina nas Américas começam a surgir por volta dos 10 anos de idade e aumentam rapidamente após os 15 anos, quando causas violentas de morte, como homicídios, acidentes e suicídios, predominam entre os homens. Como resultado, a taxa de mortalidade de homens jovens é aproximadamente 4 a 7 vezes maior que a de mulheres jovens.

Enquanto os dados globais de algumas causas de morte, incluindo doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), infecções do trato respiratório inferior e diabetes, permanecem semelhantes entre homens e mulheres, três das principais causas de morte mostram variações significativas entre homens e mulheres: homicídios (proporção 7: 1 homem / mulher, o que significa que sete homens são mortos por cada mulher morta); lesões na estrada (3: 1); e cirrose hepática causada pelo álcool, que é duas vezes maior entre os homens do que entre as mulheres.

A partir dos 50 anos, as doenças crônicas não transmissíveis começam a afetar desproporcionalmente os homens, com menor probabilidade de se cuidar ou procurar atendimento médico mais cedo.

Como resultado, embora haja mais meninos do que meninas nascidos no mundo (105 meninos para cada 100 meninas), esse número começa a ser invertido entre as idades de 30 e 40 e, aos 80, há 190 mulheres para cada 100 homens, visto que os homens morrem em idades mais precoces.

Fonte: OPAS

COMENTÁRIOS




Pais 24hs
Informação de qualidade para Pais de qualidade.