A partir de 1 de janeiro a Espanha é o primeiro país do mundo onde a licença paternidade se torna equivalente à licença maternidade: a partir de agora, mulheres e homens terão a mesma permissão para o nascimento de um filho, uma licença igual de 16 semanas , intransferível e pago a 100%.

O ponto de virada é a “igualdade de direitos”: um marco histórico que busca mudar os papéis de gênero e preencher as lacunas de emprego. Mas há quem não esteja feliz.

O ano de 2021 recém-iniciado é, portanto, o ano em que culmina a reforma da licença de paternidade em Espanha , lançada em março de 2019 pelo Governo. Desde então, a licença-paternidade aumentou gradativamente para 16 semanas, tornando-se efetivamente igual à da mãe.

Embora a mudança também seja nominal: agora é uma questão de autorização de nascimento, termo mais inclusivo, que enfatiza que se trata de autorização para cuidar de um filho que nasce ou que é adotado ou acolhido, entre outras coisas independentemente do sexo dos pais.

Desta forma, ambos os pais poderão partilhar as primeiras 6 semanas de férias juntos , que coincidem com o primeiro mês e meio de vida da criança. As próximas 10 semanas são voluntárias, os pais podem decidir se querem usá-los em tempo integral ou compartilhá-los uns com os outros.

O Motivo das mudanças

Licenças 100% pagas e intransferíveis, ou seja, se os pais não as gozam, perdem-se dois fatores fundamentais – segundo os especialistas, serviriam para incentivar os homens a usá-las – e que colocam a Espanha na vanguarda deste tipo de direitos.

Para a socióloga Constanza Tobío, a medida marca o fim de um caminho em termos de licenças. “ Transmite a mensagem de que os pais têm o direito e a obrigação de cuidar, exatamente nas mesmas condições e nos mesmos termos que as mulheres ”, diz ela no El País .

As características desta licença colocam assim a Espanha à frente dos restantes países europeus, incluindo os países nórdicos, onde as licenças exclusivas para o pai são de 12 semanas e pagas a 80%. Nessas regiões, a duração total entre ambos os progenitores excede a de Espanha, visto que normalmente incluem várias semanas em que podem gozar férias de um ou do outro.

“ No Norte da Europa existem licenças mais longas, mas por serem transferíveis, costumam ser utilizadas por mulheres e, no final das contas, é uma armadilha ” , explica María Pazos, da Plataforma de Licenças Iguais e Intransferíveis de Nascimento e Adoção (PPiiNA) .

Ainda assim, embora o PPiiNA tenha promovido este direito na Espanha, critica alguns pontos, como o fato de que as primeiras seis semanas devem ser gozadas ao mesmo tempo e que as demais 10 semanas serão aproveitadas, segundo o texto, “ full-time or part-time por acordo “com a empresa, o que não garantiria efetivamente o direito dos pais de fazê-lo quando e como decidissem (após essas seis semanas obrigatórias conjuntas, os homens poderiam ser forçados a não gozar o resto da licença ou a fazê-lo a tempo parcial).

Já é um avanço, mas ainda falta muito para uma licença parental descente e que priorize a criança acima de tudo.

Só para comparação, aqui no Brasil os homens tem direito a 5 dias de licença , se a empresa estiver cadastrada no programa Empresa Cidadã, o prazo será estendido para 20 dias. Já as mulheres tem licença remunerada de 120 dias.


Top 5 histórias mais lidas do site:
*Pai descobre que sua filha fazia bullying e decide fazer compras com a vitima usando o dinheiro destinado à filha.
*“Meu marido não viu nossa filha nascer, porque levou minha sogra para sala de parto”, diz mãe
*Henrique Fogaça vibra com filha, que conseguiu ficar de pé e se trata com canabidiol
*Com a mãe doente os irmãos colocaram ela no asilo, ele pediu demissão e resolveu cuidar dela sozinho.
*Com 51 anos de casamento Tony Ramos afirma “Ela é tudo” e dá dicas para a vida à dois.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pais 24hs
Informação de qualidade para Pais de qualidade.