Em tempos de pandemia o tal do home office veio para o bem e para o mal nos lares com crianças pelo mundo. Poder trabalhar em casa e ficar mais tempo com os filhos é um sonho que pode se transformar em pesadelo em segundos. Exige uma logística diferenciada , muitas vezes estressante e na maioria das vezes não igualitária entre pai e mãe.

Ansiedade, fadiga mental, culpa e insônia são as principais consequências sofridas pelas mães que trabalham em home office. Elas sofrem “maior impacto psicológico” do que os homens e carregam ainda mais o fardo das tarefas domésticas e dos cuidados com as crianças. Bate aquela sensação perpétua de “não fazer nada 100%”.

Sonia Reverter, PhD em Filosofia e membro do Grupo de Pesquisa em Estudos Feministas e de Gênero, explicou à EFE que “a divisão sexual do trabalho em confinamento é mais difícil” no momento.

Há pouca consciência da participação nos homens

Para Sonia, “dentro de casa há pouca consciência da participação dos homens – que geralmente executam dois terços das tarefas domésticas – e agora, trabalhando em casa ou fora, esses padrões de dedicação se tornaram mais difíceis”.

O home office para as mulheres “não é a solução sem uma grande mudança cultural” e, no momento, desde o começo da pandemia , “apenas retrocedemos” em termos de reconciliação e distribuição de tarefas.

As mães se sentem incompreendidas, elas veem um abismo entre as expectativas “vendidas” do home office e da realidade. “É um desafio”; “A carga mental é insuportável”;  “Querer estar em tudo e ter a sensação de não alcançar nada”; “Sinto que não tenho qualidade nem no trabalho doméstico nem no trabalho normal”, tudo com o sentimento de culpa sempre por trás, são algumas das reclamações feitas pelas mães.

Eles ainda têm o peso da maternidade

A terapeuta de gestão emocional Gracia Vinagre indica que as mães ainda carregam o peso da maternidade,  “é a mãe que continua tendo o fardo e a preocupação de que os filhos possam seguir o ritmo das aulas on-line”, e por isso “ela tenta fazer malabarismos ”e ele (o filho) sempre tem sua atenção dividida.

Embora o pai trabalhe em casa, diz a psicóloga, “ela está mais alerta com o que acontece no nível da família” e adapta seu trabalho aos horários de sono das crianças e ao trabalho do pai.

O famoso sentimento de culpa

Apesar de todos os esforços, acrescenta a psicóloga, “ela tem um sentimento de culpa por não atingir os objetivos de trabalho que a fazem trabalhar mais horas e dormir menos”, o que está gerando ansiedade e problemas de sono , “até mesmo seus ciclos biológicos estão se modificando”.

Soma-se a essas circunstâncias o fator agravante de que não há possibilidade de obter ajuda externa, uma vez que aqueles que tinham um pilar em seus avós ou outros membros da família agora não podem contar com eles, nem com os serviços de diaristas para limpar em uma época em que, devido ao COVID-19, as demandas higiênico-sanitárias aumentaram.

“O excesso de responsabilidade carregado nas mulheres tradicionalmente significa que o bem-estar de sua família está constantemente em equilíbrio e isso envolve muito estresse”, acrescenta o terapeuta, o home office só aumenta esse estresse, pois a sobrecarga das mães é tremenda

Incerteza

Um estudo da UNED sobre o humor durante o confinamento na Espanha revela que um em cada três consultados está enfrentando problemas de ansiedade, depressão ou sono, e destes, 70% correspondem a mulheres.

A essa carga mental se acrescenta o fato de não saber até quando o home office será permitido ou quando as escolas voltarão a funcionar .

Alguns estados já querem liberar as aulas em agosto, “pode ser um alívio, mas também é um acréscimo de carga emocional para as mães ”.

Sonia Reverter indica que, para algumas mães, pode ser uma solução, mas “quem as tira por necessidade se sentirá mal, elas podem até ser socialmente marcadas” e, novamente, o sentimento de culpa aumentará. Em resumo, eles “não aliviam” o estresse ao qual estão sujeitas, mas “trazem mais ansiedade” e até sentem que são “mães ruins”.

Gracia Vinagre defende “diminuir os níveis de auto-demanda” nesse contexto, já que “não podemos nos sentir mal porque eles usam muito o celular ou comem besteira o tempo ”, porque “todos nós temos que nos adaptar a essa situação”, da qual, acrescenta, “sairemos e tudo vai melhorar ”.

COMENTÁRIOS




Pais 24hs
Informação de qualidade para Pais de qualidade.