Jordan Kinyera tinha seis anos quando seu pai perdeu as terras da família em Uganda após uma disputa judicial.

Durante 23 anos, ele cresceria para se tornar um advogado e ajudaria sua família a reconquistar a terra.

Em abril de 2019, Kinyera defendeu o caso de seu pai no Tribunal Superior de Apelação em Uganda. O tribunal decidiu em favor de seu pai, encerrando a longa disputa de terras que começou cerca de duas décadas atrás, quando vizinhos processaram a família de Kinyera.

Um processo que mudou a vida de sua família

O jovem advogado disse à BBC que a perda do terreno mudou sua vida. “Só mais tarde tive a ambição de me tornar advogado, mas principalmente pelos acontecimentos que presenciei, pelas frustrações que a minha família experimentou durante o julgamento e como nos afetou”, explicou.

Seu pai foi processado por vizinhos em 1996. Ele perdeu o processo e foi impedido de usar a terra para qualquer fim.

“Meu pai era aposentado. Ele não tinha muitos recursos. Ele não ganhava nada naquela época. Ele estava desesperado. Há algo que rouba a sua humanidade em uma situação como esta, quando você não consegue fazer nada. Isso é o que mais me motivou ”, diz Jordan Kinyera.

Durante 23 anos meu pai não plantou nenhuma semente e não ergueu nenhum tijolo naquelas terras, disse Kinyera.

Os estudos e a missão

Tendo decidido estudar direito, Kinyera se concentrou no direito fundiário quando entrou na faculdade de direito. Lá, ele pesquisou bastante para entender melhor a natureza da disputa e também encontrar possíveis soluções para seu pai.

E isso valeu a pena anos depois, quando Kinyera reconquistou as terras para sua família no ano passado.

Mesmo que seu pai, que supostamente sofre de Alzheimer, não pudesse comparecer ao tribunal durante o julgamento, ele ficou exultante quando soube do acontecimento.

Com 82 anos de idade, ele não poderia fazer muito com a terra agora.

“Cabe a nós, filhos, continuar de onde ele parou”, disse Kinyera.

Situação atual em Uganda

“Para a maioria das pessoas em Uganda, terra é equivalente a capital. “Se você é pobre e quer fazer algo para tirá-lo dessa situação, isso vai começar e terminar com terras, porque é a única coisa que você possui”, disse Phoebe Murungi, diretora de serviços jurídicos da BarefootLaw.

Em 2015, uma pesquisa do Instituto de Haia para Inovação Jurídica, uma empresa social holandesa, estimou que houve cerca de 5 milhões de disputas de terra em Uganda nos quatro anos anteriores.

Um relatório do EastAfrican disse: “em apenas um em cada três casos as partes foram à polícia e em apenas 4% elas buscaram o conselho de um advogado”.

Descrevendo as disputas de terras como generalizadas no país da África Oriental, Kinyera é um dos poucos advogados que representa esses clientes.

Ele disse que a situação é pior para os ugandeses deslocados internamente que voltam para suas regiões de origem depois de passar tantos anos em campos.


Top 5 histórias mais lidas do site:
*Com 51 anos de casamento Tony Ramos afirma “Ela é tudo” e dá dicas para a vida à dois
*Henrique Fogaça vibra com filha, que conseguiu ficar de pé e se trata com canabidiol
*Deputado, médico , mas antes de tudo “PAI” . Deputado trabalha com filha no colo no Maranhão
*Com a mãe doente os irmãos colocaram ela no asilo, ele pediu demissão e resolveu cuidar dela sozinho
*Carol Nakamura adota menino de 9 anos que morava no lixão: “Saiu do lixão para nos fazer feliz”

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pais 24hs
Informação de qualidade para Pais de qualidade.