Esta é uma condição tão rara,que acredita-se que foi a primeira vez que aconteceu na Itália, talvez até no mundo.

Quando Ervina e Prefina nasceram dois anos atrás, elas estavam ligadas pelo crânio, lado a lado. Durante a maior parte de suas vidas, eles nunca viram o rosto uma da outra, exceto quando olhavam seus reflexos no espelho.

No início de junho, as gêmeas finalmente tiveram a chance de se olhar diretamente depois que 30 médicos e enfermeiros as separaram durante uma cirurgia de 18 horas.

“Ficamos muito, muito felizes”, disse o Dr. Carlo Efisio Marras, chefe de neurocirurgia do Hospital Infantil Bambino Gesu, ao Today .

“A mãe deles correu para mim e ela começou a dançar. Ela pegou minhas mãos e começou a pular, depois pulamos juntos. Foi um momento muito, muito mágico e fantástico. ”, disse o médico.

Como foram feitos os procedimentos

Foram efetuadas 3 cirurgias para a separação total das irmãs. O objetivo das cirurgias era criar nova circulação sanguínea em ambas as crianças. Se fizéssemos uma separação em apenas uma etapa, os resultados poderiam ser muito ruins, afirmou o Dr. Carlo.

A primeira cirurgia foi feita em setembro de 2018, a segunda em junho de 2019 e a última agora m julho de 2020.

Gêmeos craniófagos (ligados pelo crânio) juntos têm uma “taxa de sobrevivência bastante baixa” e cerca de “70, 75% de mortalidade” no primeiro ano de vida, acrescentou o cirurgião.

As gêmeas eram um craniófago posterior total – a parte de trás de seus crânios inteiros estava unida e eles compartilhavam vasos sanguíneos. No entanto, eles não compartilharam nenhum tecido cerebral, tornando-o mais seguro para a separação.

Resultado final

Após a cirurgia, os médicos realizaram uma ressonância magnética e mostrou que a separação não danificava o cérebro.

“Foi notável que o cérebro estivesse absolutamente seguro, saudável”, disse Efisio Marras. “A atitude das duas garotas foi fantástica porque elas eram absolutamente interativas.”

Depois que as meninas acordaram da cirurgia, ficaram felizes e dançando ao som da música, como fariam quando estavam juntas.

Efisio Marras e a equipe se sentem gratos por Ervina e Prefina terem uma nova chance na vida. Eles as monitoraram por um ano e esperam que eles se desenvolvam normalmente.

“Ficamos muito felizes porque tivemos a oportunidade de separá-los com total sucesso”, disse ele. “Foi alegria, pura alegria.”

Fonte: Today

COMENTÁRIOS




Pais 24hs
Informação de qualidade para Pais de qualidade.