A emoção de ver seu bebê recém-nascido é um momento precioso para qualquer mãe. Mas quando Valerie Leah viu seu filho Oliver pela primeira vez, ele já tinha quase duas semanas de vida.

A gravidez e o H1N1

A gravidez de Valerie estava indo muito bem, até que no 6 mês de gestação toda a família foi acometida pelo vírus H1N1, Lewis, de cinco anos, foi o primeiro a adoecer, com Valerie pegando o vírus poucos dias depois.

Ela ficou muito doente e foi internada no hospital em 13 de novembro.
Valerie passou dois dias na ala pré-natal antes de ser transferida para a terapia intensiva.

Em três dias, ela teve pneumonia e sua condição estava piorando. Os médicos disseram que precisavam sedá-la completamente, o que significava colocá-la em coma, pois ela precisava de suporte vital na UTI.

“Eles me disseram que precisavam me colocar para dormir por alguns dias para que pudessem me curar”, diz Val. ‘A essa altura, eu mal conseguia respirar e não tinha forças para levantar os braços. Eu estava muito doente para sentir medo. ‘

Simon, o marido, foi chamado ao hospital para se despedir de sua esposa antes que ela fosse colocada para dormir. “Eu a beijei e disse que tudo ficaria bem”, diz ele.

“Eu disse que ela teria um bom descanso e não se preocupe, porque eu cuidaria de tudo enquanto ela dormisse. Continuei sorrindo, embora meu coração estivesse se partindo”, contou Simon.

O coma e o parto

Assim que ela entrou em coma, com máquinas médicas fazendo tudo por ela, os médicos esperaram que o corpo de Valerie começasse a reagir. Mas em vez disso, ela piorou ainda mais.

“Pude ver pelos rostos sombrios de cada enfermeira e médico que cuidava dela que ela estava fugindo”, lembra Simon.

“Ainda faltava 3 meses para o bebê nascer, mas eles precisavam tirá-lo para poderem tratar Valerie de forma mais agressiva. Caso contrário, os médicos temiam que os dois morressem.

Oliver nasceu de cesariana e foi atendido na unidade de cuidados especiais para bebês do hospital.

A equipe manteve um diário de seus dias para que sua mãe soubesse o que havia acontecido com ele enquanto ela estava em coma.

article 1262398 08E2A73D000005DC 434 468x352 - Mãe é colocada em coma induzido para salvar a vida dela e de seu filho ainda não nascido

 

“Ele me disse que tudo o que podíamos fazer agora era orar pelos dois. Quando um médico lhe diz isso, você sabe que as coisas estão tão terríveis quanto podem ser. Não sou religioso, mas orei muito e muito nas horas seguintes,” contou o marido.

Incrivelmente, assim que o bebê nasceu, Valerie começou a responder ao tratamento. “Foi leve no início, mas depois de várias horas e dias ela ficou mais forte. Finalmente, os médicos decidiram que poderiam acordá-la.

Acordando do coma duas semanas após o parto

Quando Valerie acordou do coma, ela ainda estava doente demais para sair da UTI – o que significava que ela não podia ver seu novo bebê. Oliver tinha duas semanas quando sua mãe o conheceu pela primeira vez.

“Ele estava com suporte de vida, mas estava respondendo bem, apesar de ser tão prematuro. Eu disse a ele que sua mamãe iria acordar em breve e queria conhecê-lo, ” contou Simon.

Finalmente, quando ele tinha três semanas, ela conseguiu tirá-lo da incubadora e segurá-lo. “Aquele, para mim, foi o momento em que ele finalmente se tornou meu filho”, lamenta Valerie.

As enfermeiras que cuidaram do bebê Oliver enquanto sua mãe estava em coma mantiveram um diário escrito até que ela pudesse segurá-lo sozinha.

Um novo começo para todos

Oliver ainda continuou por 4 meses na UTI neonatal, devido a fragilidade da sua saúde, mas, recentemente a família teve autorização para levá-lo para casa.

Enquanto isso, o diário de seus dias antes de conhecer sua mãe repousa em uma caixa de lembranças embaixo da cama dela, um elo precioso para o tempo que passaram separados.

article 1262398 08D91378000005DC 670 468x311 - Mãe é colocada em coma induzido para salvar a vida dela e de seu filho ainda não nascido

“Às vezes me sinto traída por não ter compartilhado aqueles primeiros dias especiais com meu bebê”, diz Valerie.

‘Então eu me lembro que por mais difícil que as coisas fossem, eu dormi, enquanto Simon passou pelo inferno imaginando se ele perderia nós dois.

“Foi uma provação horrível”, diz Simon. – Mas não perdi nenhum deles. No final, isso é tudo que importa para mim. ‘

Fonte : Dailymail


Top 5 histórias mais lidas do site:
*Com 51 anos de casamento Tony Ramos afirma “Ela é tudo” e dá dicas para a vida à dois
*Henrique Fogaça vibra com filha, que conseguiu ficar de pé e se trata com canabidiol
*Deputado, médico , mas antes de tudo “PAI” . Deputado trabalha com filha no colo no Maranhão
*Com a mãe doente os irmãos colocaram ela no asilo, ele pediu demissão e resolveu cuidar dela sozinho
*Carol Nakamura adota menino de 9 anos que morava no lixão: “Saiu do lixão para nos fazer feliz”

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Pais 24hs
Informação de qualidade para Pais de qualidade.