Em qualquer escola da América Latina, é comum ver pessoas encarregadas de manter a limpeza; no entanto, no Japão, os próprios alunos são responsáveis ​​pela limpeza.

Na maioria das escolas, os alunos do ensino fundamental e médio, além de varrer, esfregar e servir um lanche como parte de sua rotina escolar, também precisam lavar os banheiros; uma prática conhecida como o-soji.

Como Funciona ?

“Na escola, o aluno não apenas estuda os assuntos, mas também aprende a cuidar do que é público e a ser um cidadão mais consciente. E ninguém afirma, porque sempre foi assim.”, informa o professor Toshinori.

Além disso, as escolas japonesas não têm lanchonetes ou cantinas, então os alunos comem nas salas de aula e eles mesmos são responsáveis ​​por organizar tudo e servir seus colegas de classe. Quando terminam o lanche, eles se limpam.

Os alunos são divididos em grupos, sendo cada um deles responsável pela lavagem do que foi usado durante a refeição e pela limpeza da sala de aula, corredores, escadas e banheiros em um sistema rotativo coordenado pelos professores.

Isso não significa que as escolas no Japão não tenham funcionários encarregados da limpeza; sim, existem e eles são conhecidos como yomushuji . Mas o-soji é uma tradição que existe em instituições educacionais.

“Eu também ajudei a cuidar da escola, assim como meus pais e avós, e estamos felizes em receber a lição de casa porque adquirimos uma responsabilidade”. explica o professor Toshinori.

A importância do O-soji

Michie Afuso, presidente da organização ABC no Japão, que auxilia a integração de estrangeiros e japoneses, garante que “a obrigação também faz as crianças entenderem a importância de limpar o que está sujo”.

Um exemplo dessa prática foi observado na Copa do Mundo do Brasil, na qual os torcedores japoneses chamaram a atenção por limparem as arquibancadas durante os jogos, como fazem nas cidades japonesas, conhecidas mundialmente por terem uma limpeza quase impecável.

“Isso demonstra o nível de organização do povo japonês, que aprende desde cedo a cuidar do patrimônio público que será usado pelas próximas gerações”, afirma Michie.

Para que estrangeiros e seus filhos entendam como as tradições funcionam nas escolas japonesas, muitas cidades contrataram assistentes bilíngues. Por exemplo, a brasileira Emilia Mie Tamada trabalha na província de Nara, adjacente a Kyoto, onde já é voluntária há mais de 15 anos.

E com relação às crianças japonesas fazendo a limpeza, Mie disse:

“Durante todo esse tempo, não me lembro de nenhum pai que tenha questionado a participação de seu filho na limpeza da escola”.

Provavelmente, aos olhos dos estrangeiros, o sistema educacional do Japão pode parecer rígido ou muito rigoroso, mas na realidade o que eles estão tentando destacar é que a educação é considerada um assunto muito sério.

No entanto, em outras partes do mundo onde eles tentaram aplicar a prática do o-soji , os pais denunciaram as tarefas de limpeza como abuso e exploração para as crianças.

Certamente, podemos aprender muitas coisas com as escolas do Japão.

Traduzido do site Recreo Viral


Top 5 histórias mais lidas do site:
*Pai descobre que sua filha fazia bullying e decide fazer compras com a vitima usando o dinheiro destinado à filha.
*“Meu marido não viu nossa filha nascer, porque levou minha sogra para sala de parto”, diz mãe
*Henrique Fogaça vibra com filha, que conseguiu ficar de pé e se trata com canabidiol
*Com a mãe doente os irmãos colocaram ela no asilo, ele pediu demissão e resolveu cuidar dela sozinho.
*Com 51 anos de casamento Tony Ramos afirma “Ela é tudo” e dá dicas para a vida à dois.

RECOMENDAMOS






Informação de qualidade para Pais de qualidade.