Há algumas semanas, parece que nada além do COVID-19 (“o coronavírus”) foi mencionado: na mídia, nas ruas, nas famílias … como resultado, muitas crianças estão nervosas com o que eles percebem ao seu redor e precisam se expressar. Como podemos enfrentar essa situação? Vamos começar abordando a questão de forma que possamos proteger os direitos das crianças pelas quais somos responsáveis. Nesse caso, especialmente seus direitos à proteção e à saúde.

jeshoots com 5EKw8Z7CgE4 unsplash scaled - As dúvidas mais frequentes sobre o coronavírus e sua família
Como explicar o que uma epidemia significa para os pequenos e como prevenir ?

Como explicar o que uma epidemia significa para os pequenos e como prevenir ?

Para as crianças menores de 6 anos, dependendo do grau de maturidade você deve tentar explicar de maneira lúdica o que está acontecendo e como se prevenir, seguindo esta proposta a psicóloga e professora colombiana Manuela Molina publicou uma espécie de livro de histórias infantil para esclarecer aos pequenos, de forma lúdica, confira o livro completo aqui. Em outras idades, uma abordagem apropriada ao seu nível de competência deve ser dada, permitindo que cada criança aprenda e compreenda o que esta acontecendo de acordo com a idade.
A mídia e o alarme social às vezes precipitam o trabalho de famílias e educadores, forçando-nos a explicar coisas que nunca acreditávamos que precisaríamos ter de conversar com os mais pequenos. Não é o fim do mundo: você só precisa ser muito claro e não passar medo para as crianças.

eliott reyna jCEpN62oWL4 unsplash scaled - As dúvidas mais frequentes sobre o coronavírus e sua família
Covid-19 afeta crianças e adolescentes ?

Isso afeta crianças e adolescentes?

É um vírus novo e ainda não há informações suficientes sobre como afeta crianças e adolescentes. Sabe-se que qualquer pessoa pode ser infectada, independentemente da idade, mas até agora houve relativamente poucos casos de COVID-19 entre crianças e adolescentes. A doença raramente é fatal, e até agora as fatalidades foram pessoas idosas que já tinham uma doença.

freestocks ux53SGpRAHU unsplash scaled - As dúvidas mais frequentes sobre o coronavírus e sua família
Uma mulher grávida pode transmitir o vírus para o feto?

Uma mulher grávida pode transmitir o vírus para o feto?

No momento, não há evidências suficientes para determinar se o vírus pode ser transmitido da mãe para o feto durante a gravidez, nem das consequências que isso pode ter no bebê posteriormente. É um problema que está sendo investigado. As mulheres grávidas devem continuar tomando as devidas precauções para se proteger da exposição ao vírus e procurar assistência médica se sintomas como febre, tosse ou dificuldade em respirar começarem a se desenvolver.

mama - As dúvidas mais frequentes sobre o coronavírus e sua família
É seguro para uma mãe infectada com um coronavírus amamentar seu bebê?

É seguro para uma mãe infectada com um coronavírus amamentar seu bebê?

Se uma mãe tiver sintomas, mas estiver bem o suficiente para amamentar seu bebê, ela deve usar uma máscara sempre que estiver perto (por exemplo, durante a amamentação), lave as mãos antes e depois de ter contato com a criança ( durante a amamentação) e limpe ou desinfete as superfícies que possam estar contaminadas. Essas medidas de precaução devem ser seguidas o tempo todo se uma pessoa que sabe ou é suspeita de estar infectada com COVID-19 está relacionada a outras pessoas, como meninos e meninas.

Se a mãe estiver muito doente, recomenda-se que o leite seja expresso para dar ao bebê em um copo e / ou com uma colher limpa, seguindo sempre as mesmas medidas de prevenção de infecções. Confira uma matéria completa sobre o assunto aqui .

tengyart VkwiVNCNfo unsplash scaled - As dúvidas mais frequentes sobre o coronavírus e sua família
Protegendo suas emoções

Protegendo suas emoções
As crianças muito pequenas ainda não estão maduras o suficiente para entender alguns aspectos biológicos, sociais e econômicos da doença. Geralmente, quando conversamos com eles sobre problemas de saúde, usamos eufemismos, como chamar vírus e bactérias de “bichinhos invisíveis”, referindo-se à doença como “dodói” ou dizendo que pessoas doentes “estão dodóis”. Essas imprecisões não contribuem para o seu treinamento científico (para o qual ainda haverá tempo), mas contribuem para outro aspecto muito importante da educação nesta fase: a proteção do seu bem-estar emocional.

A prioridade nesse estágio deve ser, precisamente, proteger as crianças de todas as informações que elas ainda não podem processar e que podem levá-las a desenvolver ansiedade e medo devido à incerteza. Nesse sentido, é conveniente:

*Impeça-os de ver ou ouvir notícias e relatórios com uma abordagem sensacional ou mórbida da situação.
*Evite ficar expondo-os a notícias sobre o problema por um longo tempo, mesmo que seja sobre tratamento ou prevenção, pois informação demais também pode deixá-los apreensivos e preocupados.
*Evite envolvê-los em conversas de adultos sobre a situação, especialmente se forem entusiasmados ou incluírem piadas e dois significados: mesmo que não estejamos conversando com eles, eles sabem do que estamos falando e tiram suas próprias conclusões.
*Gaste tempo resolvendo suas dúvidas e preocupações, em uma linguagem adaptada ao seu entendimento, mas não enganoso. Se você sentir falta de recursos para transmitir informações, poderá recorrer a algumas histórias publicadas na internet sobre como conversar sobre doenças com crianças, confira uma busca sobre o tema aqui .

clay banks Qpgjbf6emd0 unsplash scaled - As dúvidas mais frequentes sobre o coronavírus e sua família
Protegendo sua saúde

Protegendo sua saúde
Neste ponto ,também é muito importante estabelecer as bases para as habilidades de autoproteção que permitirão que você seja responsável por sua saúde e pela de outras pessoas ao longo de sua vida. Não é necessário um tratamento exaustivo das causas e efeitos das doenças para começar a influenciar educacionalmente os comportamentos de proteção disponíveis para crianças desde tenra idade e que também lhes permitam desenvolver seu senso de autoeficácia e segurança em sim mesmos:

*Lavar as mãos com água e sabão: não apenas aprendendo a lavar bem as mãos, mas adquirindo o hábito e exigindo e promovendo essa necessidade em diferentes contextos (por exemplo: lembrando outras crianças, lembrando-se de lavar em um restaurante …)
*Reconheça as circunstâncias cotidianas em que estamos em contato com a sujeira e seja capaz de tomar precauções. Por exemplo: gestão da terra, contato com animais de estimação, precauções contra lixo e fezes …
*Aprenda e internalize as medidas higiênicas que protegem os outros, por exemplo: o uso de lenços e guardanapos, aprenda a assoar e limpar, evite compartilhar talheres e copos …
*Adquira respeito pelo meio ambiente: pequenas contribuições para a higiene doméstica e escolar, adquira o hábito de jogar lixo no lixo, saiba a importância de limpar o meio ambiente, roupas, louças …

Lembre-se: o exemplo vale mais do que as palavras
Em qualquer idade, mas principalmente com os mais pequenos, é de pouca utilidade ensinar a lavar as mãos se eles não nos veem fazendo isso com frequência. Tampouco o que lhes dizemos sobre ficar calmo se perceberem nosso nervosismo ou se os censuramos por chamar alguém de “coronavírus” terá nenhum efeito se nos ouvirem fazer piadas que não sabem interpretar.

Em um estágio de desenvolvimento em que as habilidades linguísticas ainda não estão totalmente desenvolvidas, grande parte do aprendizado é realizada por imitação e possui um alto componente emocional. A educação dos pequenos é um esforço que pode nos forçar a usar todos os sentidos.

Fonte original revisada e adaptada : Psicologiaparaninos

COMENTÁRIOS




Pais 24hs
Informação de qualidade para Pais de qualidade.