Desde o dia em que nasceu, ele teve que superar vários obstáculos; no entanto, sua mãe nunca desistiu e nunca deixou que ele desistisse.

Ding, ao nascer foi considerado um caso perdido pelos médicos que chegaram a sugerir que sua mãe, Zou Hongyan, o abandonasse depois que ele foi diagnosticado com paralisia cerebral, uma condição que resultou de seu cérebro não receber ar suficiente quando ele nasceu.

Até seu pai seguiu o conselho dos médicos, acreditando que o menino seria um fardo para a família. Quando sua mãe insistiu em ficar com o menino e cuidar dele como faria com qualquer outra criança, o casal se desentendeu e se divorciou pouco depois.

A determinação da mãe em não deixá-lo desistir

Acreditando na intervenção precoce, Zou religiosamente enviou seu filho para sessões semanais de reabilitação e aprendeu a massagear seus músculos para lidar com a rigidez que fazia parte de sua condição física.

Com 2 anos e meio de idade, Ding começou a andar. Por volta dos cinco ou seis anos, ele finalmente aprendeu a subir escadas sozinho. E aos sete anos, sua mãe viu um de seus sonhos para o filho realizado quando ele foi aceito em uma escola primária para crianças normais.

O menino demorou muito para fazer as tarefas escolares e completar as tarefas e os testes; nem poderia cumprir os requisitos de suas aulas de educação física. Mas Zou se recusou a desistir.

Ela insistiu que seu filho se esforçasse mais do que seus colegas de classe e com obstinada persistência o incentivou a continuar se esforçando.

Tudo valeu a pena. Quando Ding chegou ao ensino médio, seus professores disseram que não conseguiam distingui-lo dos outros alunos.

Bulling e superação na escola

“Todos os meninos e meninas riam de mim. Me chamavam de idiota. Eu estava sofrendo [de vergonha e constrangimento]  ”, disse ele.

O que mudou o comportamento de seus colegas e transformou o ridículo deles em admiração foram suas excelentes notas na escola; ele era consistentemente o primeiro de sua classe, academicamente.

“Meu professor disse a eles: ‘Vocês chamam Ding de idiota, mas suas notas são mais baixas do que as dele. Vocês todos devem ser super idiotas então ‘”, disse ele.

“Como sou um dos melhores alunos da classe, os professores gostavam de mim e as outras crianças não me intimidavam [mais].”

Que tal trabalhar no conforto do seu lar   - A mãe se recusou a abandonar seu bebê com deficiência mental, hoje ele se forma em Harvard

Faculdades

Em 2007, Ding foi aceito na Universidade de Pequim, a principal instituição da China. Ele se formou em ciências ambientais, mas descobriu que seus problemas físicos o colocavam em desvantagem.

“Precisávamos conduzir experimentos químicos, mas eu não conseguia realizar alguns movimentos precisos com as mãos, então minha pontuação não era tão boa”, disse ele.

Após a formatura, quatro anos depois, ele iniciou outro curso de estudos: Direito. Ele estudou direito chinês e americano na Escola de Direito Transnacional da Universidade de Pequim, obtendo seu primeiro mestrado em direito .

Em 2015, ele foi aceito em Harvard e voou para os Estados Unidos para continuar seus estudos de direito na instituição de elite da Ivy League. Ele se formou em maio deste ano.

Ele é categórico quando diz que sem a insistência, perseverança e por muitas vezes obstinação da sua mãe ele nunca teria chegado tão longe.

Fonte traduzida e adaptada: SCMP


Top 5 histórias mais lidas do site:
*Pai descobre que sua filha fazia bullying e decide fazer compras com a vitima usando o dinheiro destinado à filha.
*“Meu marido não viu nossa filha nascer, porque levou minha sogra para sala de parto”, diz mãe
*Henrique Fogaça vibra com filha, que conseguiu ficar de pé e se trata com canabidiol
*Com a mãe doente os irmãos colocaram ela no asilo, ele pediu demissão e resolveu cuidar dela sozinho.
*Com 51 anos de casamento Tony Ramos afirma “Ela é tudo” e dá dicas para a vida à dois.

RECOMENDAMOS






Informação de qualidade para Pais de qualidade.