Um estudo pandêmico realizado pela Universidade do Danúbio (Áustria) concluiu que os solteiros lidam melhor com o confinamento do que aqueles que têm um relacionamento complicado. O folclore popular e a ciência se encontram mais uma vez!

A vida em confinamento pode ter seus prós para alguns, mas para a maioria os contras pesam mais. Já vimos os danos que esta situação sem precedentes causou, causando depressão, ansiedade e falta de descanso ao obrigar as pessoas a permanecerem dentro de casa.

E há situações – não poucas – em que a vida se tornou ainda mais difícil para alguns, com o espectro do desemprego e da precariedade assombrando todos os lares, especialmente no início da pandemia.

O Estudo

Pesquisadores da Universidade do Danúbio em Krems, Áustria, revelaram que a maneira como nos sentimos mentalmente durante a quarentena depende parcialmente de nosso estado emocional.

Os acadêmicos examinaram 1.000 austríacos por mês após a instalação da quarentena naquele país, para entender o impacto em seus relacionamentos e bem-estar mental.

Na pesquisa, eles perguntaram principalmente sobre a qualidade do casamento – ou relacionamento – dos entrevistados, além de indícios que indicassem estresse, depressão, ansiedade, bem-estar e qualidade de sono para poder montar um filme completo sobre o assunto.

O Resultado

Os resultados indicaram que pessoas com um bom relacionamento tiveram uma pontuação melhor do que aquelas que não o fizeram. Além disso, concluíram que era melhor ser solteiro antes de ter uma relação doentia, uma vez que o primeiro teve melhor pontuação do que o segundo.

“Apenas estar em um relacionamento não estava associado a uma melhor saúde mental, mas a qualidade do relacionamento era essencial. Comparado com ser solteiro, uma boa qualidade no relacionamento do casal era um fator de segurança, enquanto a má qualidade no relacionamento configurava-se como um fator de risco ”.

giphy - É oficial: o ditado clássico "Melhor sozinho do que mal acompanhado" agora tem o apoio da ciência

No entanto, os pesquisadores esclareceram que existem algumas limitações no estudo , uma vez que não enfocaram outras possíveis causas de estresse na pesquisa, como perda de emprego, ansiedade de fundo ou a contração do COVID-19.

Pela mesma razão, eles não são precisos quando se trata de garantir todas as suas conclusões.

E embora talvez não precisemos de um endosso para saber que é verdade, o ditado “Melhor sozinho do que mal acompanhado” agora tem comprovação científica.

Fonte: UPSOCL


Top 5 histórias mais lidas do site:
seta imagem animada 0365 - É oficial: o ditado clássico "Melhor sozinho do que mal acompanhado" agora tem o apoio da ciência*Pai descobre que sua filha fazia bullying e decide fazer compras com a vitima usando o dinheiro destinado à filha.
seta imagem animada 0365 - É oficial: o ditado clássico "Melhor sozinho do que mal acompanhado" agora tem o apoio da ciênciaCom 51 anos de casamento Tony Ramos afirma “Ela é tudo” e dá dicas para a vida à dois.
seta imagem animada 0365 - É oficial: o ditado clássico "Melhor sozinho do que mal acompanhado" agora tem o apoio da ciênciaHenrique Fogaça vibra com filha, que conseguiu ficar de pé e se trata com canabidiol
seta imagem animada 0365 - É oficial: o ditado clássico "Melhor sozinho do que mal acompanhado" agora tem o apoio da ciência*Ex-seringueira viúva forma 11 filhos na faculdade: que orgulho!
seta imagem animada 0365 - É oficial: o ditado clássico "Melhor sozinho do que mal acompanhado" agora tem o apoio da ciênciaDeputado, médico , mas antes de tudo “PAI” . Deputado trabalha com filha no colo no Maranhão

COMENTÁRIOS




Pais 24hs
Informação de qualidade para Pais de qualidade.