Os colegas de trabalho de um homem doaram quase 3.300 horas extras para permitir que ele ficasse ao lado do leito de seu filho enquanto ele lutava contra a leucemia após a morte repentina da mãe do menino.

O pequeno Julius tinha apenas três anos quando foi diagnosticado com leucemia e o tratamento o manteve numa cama de hospital durante as primeiras nove semanas.

A situação se agravou após a morte da esposa

Ele estava prestes a voltar para a casa da família, na cidade de Fronhausen, no estado de Hesse, região central da Alemanha, quando sua mãe morreu de doença cardíaca. Andreas Graf, 36, acabou tendo que tirar todas as suas férias anuais de seu trabalho como operário da montagem de uma empresa de design nas proximidades de Marburg para ficar com seu filho.

Graf, lutando para lidar com a doença do filho e a morte da esposa, temia perder o emprego pois teria que ficar muito tempo cuidando exclusivamente do filho.

Ação solidária

Quando a gerente de pessoal de seu empregador, a empresa Seidel em Fronhausen, Hesse, ficou sabendo da sua situação, ela discutiu com a gerência e o conselho de trabalhadores como eles poderiam ajudar Graf o mais rápido possível.

Começaram então uma campanha de arrecadação inédita na empresa e na sua subsidiária a Carus Lists, na qual poderia se cadastrar qualquer pessoa que queira doar horas extras para o pai.

Ela enviou um apelo aos funcionários da empresa para doar suas horas extras para que dessa forma Graf pudesse ficar mais tempo ausente cuidando do filho em tratamento.

Adesão em massa dos colegas

A surpresa é que todos os 650 trabalhadores da empresa se inscreveram imediatamente, mesmo aqueles que nunca o conheceram.

Duas semanas após o recurso, eles haviam coletado um total de 3.264,5 horas que a empresa permitiu que Graf gozasse como licença remunerada, o que possibilitou que o pai pudesse ficar todo o tempo necessário sem trabalhar para continuar o tratamento do filho.

Quando Andreas Graf soube da ação, ficou muito emocionado: “Ele ficou chorando quando contei”, diz Meier. “Ele havia inicialmente considerado renunciar. Mas eu não aceitei a renúncia e disse a ele que encontraríamos uma solução.”

 

Que tal trabalhar no conforto do seu lar   - Funcionários doam suas horas extras para que colega possa cuidar de seu filho doente

“Isso foi muito importante para mim”, disse o pai em entrevista . “No início, não pude acreditar que tantas pessoas participaram. Todos os funcionários da empresa doaram algumas horas, até estagiários, que normalmente não têm permissão para fazer horas extras.” informou Graf.

A gerente Meier disse que também ficou impressionada com a resposta, dizendo: ‘Não há uma única pessoa que não doou.

Graças à generosidade de seus colegas, Graf conseguiu ficar mais de um ano longe da empresa para cuidar de seu filho.

Depois da quimioterapia, Julius, que completou cinco anos no final de fevereiro, já se sente bem para ter alta e espera voltar em breve à creche.

Enquanto isso, seu pai está lentamente voltando ao trabalho após um ano e um mês de férias e está de volta ao trabalho há três semanas – inicialmente apenas em meio período.

Ele também é particularmente grato pela flexibilidade de horário que a empresa esta disponibilizando. “Nós deixamos para ele quantas horas ele gostaria de trabalhar”, explica Meier. Graf agora tem cerca de 300 horas extras de reserva que ele pode usar em uma emergência.


Top 5 histórias mais lidas do site:
*Pai descobre que sua filha fazia bullying e decide fazer compras com a vitima usando o dinheiro destinado à filha.
*“Meu marido não viu nossa filha nascer, porque levou minha sogra para sala de parto”, diz mãe
*Henrique Fogaça vibra com filha, que conseguiu ficar de pé e se trata com canabidiol
*Com a mãe doente os irmãos colocaram ela no asilo, ele pediu demissão e resolveu cuidar dela sozinho.
*Com 51 anos de casamento Tony Ramos afirma “Ela é tudo” e dá dicas para a vida à dois.

RECOMENDAMOS






Informação de qualidade para Pais de qualidade.